Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

27 de Fevereiro de 2012, 11:28

Porto

Promessas de amor seladas a cadeado na ponte Luís I

A grande parte dos casais que escolheram a invicta como testemunha do seu amor são estrangeiros. A grande parte dos casais que escolheram a invicta como testemunha do seu amor são estrangeiros. Imagem: Alice Barcellos/SAPO

Não se sabe onde foi colocado o primeiro "cadeado do amor", conta o Jornal de Notícias esta manhã. Uns dizem que foi na Muralha da China, outros asseguram que o fenómeno nasceu em Itália.

Ambos os locais seriam excelentes escolhas para um casal enamorado dar testemunho do seu amor. A ideia é pegar num aloquete, escolher um local emblemático, fechar e deitar fora a chave. O gesto não é mais do que uma revolucionária e pública troca de alianças, um compromisso para toda a vida.

Na ponte Luís I já existem mais de trinta cadeados espalhados pelas grades.

“Onde comecei por ver dois, já estão três ou quatro cadeados. Quer dizer que já há filhos” disse Rui Rodrigues, que costuma atravessar a ponte a pé, ao matutino.

Convencido que isto não danifica a ponte, o portuense acrescentou ainda que “as pessoas passam e toca-lhes uma ternura, a ligação a alguém”.

Dourados, prateados, de diferentes formas e tamanhos, os cadeados, parte significativa deles “made in china”, foram decorados ao gosto dos apaixonados.

A grande parte dos casais que escolheram a Invicta como testemunha do seu amor são estrangeiros.

Em Florença, na Ponte Vecchio, a colocação de cadeados é proibida, mas ainda há quem se arrisque a pagar uma coima de cinquenta euros. Antes de instaurar a multa, o presidente da Câmara mandou retirar todos os aloquetes que ali estava, cerca de 375 quilos, conta o Jornal I.

Em Paris, na Ponte das Artes, desapareceram perto de dois mil cadeados. O remoção deu aso a polémica e a câmara negou tê-los removido, apontando culpas aos ladrões de metal.

Enquanto uns se opõem, outros aproveitam a moda do “turismo do cadeado”. Em Moscovo há árvores de ferro na ponte Luzhkov destinadas à colocação de aloquetes. Na cidade americana de Lovelock há uma praça para os apaixonados fazerem estas juras metálicas, revela o matutino.

O galardão segue para Colónia. A ponte Hohenzollernbrucke já tem mais de 40 mil cadeados.

Fica por saber se a histórica ponte portuguesa aguentaria o peso de tanta paixão.

SAPO

Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade