Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

24 de Junho de 2008, 14:53

Petróleo: União Europeia precisa de política única para fazer face à OPEP, diz académica americana

"Se a União Europeia (UE) não encontrar uma política única no que toca ao petróleo ou às alternativas disponíveis, será difícil manter uma boa relação [com a OPEP]", disse à agência Lusa a académica, autora de vários livros sobre política económica dos países produtores de petróleo da América Latina.

Laura Randall, professora de Economia no City College e no Hunter College de Nova Iorque, considerou mesmo que "o petróleo pode ser um tema com poder para provocar a dissolução da UE", uma vez que poderá alienar os cidadãos europeus.

"Uma grande parte da população poderá sentir que não beneficia com a situação ou que não tem controlo suficiente sobre quem decide sobre a quantidade de petróleo a enviar para o mercado," considerou.

Com o preço do petróleo a aumentar continuamente e a atingir hoje os 138 dólares depois de já ter subido a máximos históricos próximos dos 140 dólares, a UE pediu hoje à OPEP - Organização dos Países Exportadores de Petróleo para aumentar a produção petrolífera, com Bruxelas a esperar que o aumento da oferta reduza o preço petrolífero.

"Não há razão para manter tectos de produção", disse o comissário europeu para a Energia, Andris Piebalgs à entrada do encontro em Bruxelas, com Chakib Khelil, presidente da Opep, a garantir que os preços do petróleo "não vão baixar" e que o cartel "já fez o que pode".

É neste cenário de demasiada procura para pouca oferta que Laura Randall defendeu em entrevista à agência Lusa a alteração do modelo energético europeu e adivinhou um futuro complicado para os europeus.

"Poderá provocar, ao nível do consumo, por exemplo, o uso menos intensivo do aquecimento eléctrico, ou a necessidade de se voltar a recorrer a lavadeiras, se a conta da energia da máquina de lavar roupa se tornar insuportável," revela.

"Ao nível da produção, haverá maior controlo sobre o consumo de energia e, sempre que possível, substituir-se-ão as tecnologias mais dispendiosas por mão-de-obra," adianta.

Mas o maior impacto, segundo Randall, poderá dar-se ao nível da localização das unidades de produção. "Talvez se tornem menores e mais perto dos mercados, para evitar os custos de transporte."

"A alternativa é continuar a apostar no desenvolvimento dos substitutos do petróleo", assegura. "A Europa já está a trabalhar nesse sentido. Além da energia atómica e da energia eólica, as taxas sobre os derivados do petróleo são já superiores às praticadas nos Estados Unidos. É uma boa medida para desincentivar o consumo", conclui.

PAP/RBV

Lusa/Fim

Agência Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade