Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

14 de Maio de 2008, 20:25

PSD: Passos Coelho quer convenções abertas ao exterior e apresenta mandatária independente

No Museu Rafael Bordalo Pinheiro, em Lisboa, a escritora e jornalista Filipa Martins, de 24 anos, sem filiação partidária, foi apresentada como mandatária da juventude de Pedro Passos Coelho como um sinal de abertura à sociedade civil.

Filipa Martins disse aos jornalistas que apenas está comprometida com a candidatura de Pedro Passos Coelho até às eleições directas para a presidência do PSD.

Questionada se votaria em Passos Coelho contra o actual primeiro-ministro, José Sócrates, respondeu: "O meu compromisso com esta candidatura é até ao dia 31 de Maio".

"Não faço ideia o que acontecerá depois disso", acrescentou.

A jornalista citou a frase de Passos Coelho de que "não é de esquerda nem de direita" para responder se está ideologicamente próxima do PSD, mas sublinhou que antes de aceitar ser mandatária fez questão de "conhecer o candidato pessoalmente" e conversar longamente com ele.

"Estou aqui a representar a juventude. Estou nesta candidatura porque é a única que se mostrou aberta à sociedade", justificou.

Filipa Martins afirmou que com a sua decisão quis responder "ao repto lançado aos jovens pelo Presidente da República" para que se interessem por política.

Pedro Passos Coelho também justificou com a abertura à sociedade civil o convite feito a Filipa Martins.

"É uma escolha muito simbólica", declarou o ex-presidente da JSD.

Passos Coelho foi interrogado pelos jornalistas se defende a realização de algo semelhante aos "Estados Gerais" promovidos pelo ex-secretário-geral do PS António Guterres nos anos 90 -- que José Sócrates procurou recuperar com o "Fórum Novas Fronteiras".

"Com esse nome ou outro, já indiquei a indispensabilidade de o PSD fazer convenções abertas ao exterior", respondeu.

A candidatura de Passos Coelho anunciou no final de Abril que o seu programa será aberto, com linhas estratégicas a desenvolver depois com a sociedade civil, no caso de ser eleito presidente do PSD.

IEL.

Lusa/Fim

Agência Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade