Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

20 de Novembro de 2008, 13:53

Lisboa: Trabalhadores do lixo anunciam greve de cinco dias entre 8 e 11 de Dezembro

A decisão foi tomada após a realização de dois plenários (um, quarta-feira, para o serviço nocturno e outro, quinta-feira, para o serviço diurno) e abrange entre 2.000 a 2.500 trabalhadores do Departamento de Higiene Urbana e Resíduos Sólidos da Câmara Municipal de Lisboa, incluindo cantoneiros, motoristas e pessoal administrativo e técnico.

Joaquim Jorge, do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa, adiantou que se a greve tiver os mesmos níveis de adesão que se verificaram nos plenários, os cinco dias de paralisação vão trazer consequências graves a nível da recolha do lixo, lavagem e varredura das ruas.

"Somos os primeiros a lamentar os transtornos. Mas esta luta é também a favor dos munícipes. Se isto for privatizado, vão sentir a diferença na factura ao final do mês", salientou.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa desmentiu anteriormente a intenção de privatizar os serviços de Higiene Urbana, considerando que o que está em curso é um reforço de trabalhadores para a zona da Baixa Pombalina, porque não foi possível encontrar uma resposta adequada com os recursos disponíveis, mas o sindicalista rejeita o argumento.

"Vai ser aberto um concurso público para atribuir a limpeza nessa zona a uma empresa. Se isto não é privatização, o que é?", questionou.

Joaquim Jorge contrapõe que os custos financeiros da concessão destes serviços a uma empresa são superiores e que esse dinheiro poderia ser investido em meios humanos e materiais próprios.

"O que se passou nos jardins foi um processo semelhante. O metro quadrado de manutenção de espaços verdes através dos privados custa quatro vezes mais. Vai ser mais oneroso para o erário público", concluiu.

RCR.

Lusa/Fim

Agência Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade