Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

24 de Junho de 2008, 14:36

Zimbabué/Eleições: Oposição entrega carta a oficializar desistência de Tsvangirai - News24

O serviço de notícias «on-line» sul-africano News24 afirmou que, de acordo com o porta-voz do Movimento para a Mudança Democrática (MDC, oposição), Nelson Chamisa, a comissão "é agora detentora da carta do MDC".

"Na carta, declaramos que não participaremos nestas eleições" de sexta-feira, disse Chamisa.

Contactado a partir de Lisboa pela Agência Lusa, o presidente da Comissão Eleitoral do Zimbabué disse não ter ainda recebido um documento de Tsvangirai a oficializar a desistência à corrida eleitoral.

"Vamos colocar a questão da seguinte forma: ele ainda não entregou qualquer carta retirando-se da corrida e penso que não devemos discutir assuntos que são especulação", afirmou George Chiwese quando questionado sobre as consequências da entrega de um documento oficial por parte de Tsvangirai.

Segundo o serviço de notícias zimbabueano independente ZimOnline, "caso o dirigente do Movimento para a Mudança Democrática (MDC, oposição), Morgan Tsvangirai, retirasse formalmente a sua candidatura às presidenciais então não haveria eleições, dado que a lei estipula que o candidato ainda na corrida, o Presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, seria automaticamente declarado vencedor".

"Prefiro lidar com essa situação se, e quando, chegarmos a ela", disse.

Sobre os preparativos para a segunda volta das eleições, agendadas para a próxima sexta-feira, Chiweshe disse que "está tudo a correr conforme planeado".

"Esperamos que todos (os funcionários destacados para as mesas de voto) estejam no terreno quinta-feira à noite e prontos para abrir as assembleias (de voto) sexta-feira às 07:00 e encerrá-las às 19:00", disse.

A contagem dos votos será efectuada em cada mesa de voto. Os responsáveis pelas respectivas mesas bem como representantes dos candidatos assinarão a contagem dos votos.

Esses resultados serão afixados à porta das mais de 9.000 assembleias de voto do país.

O responsável disse não saber quando haverá resultados oficiais porque se trata de uma operação de grande envergadura e que, por vezes, há "imprevistos que podem causar algum atraso".

"O que possa dizer é que vamos fazer melhor que pudermos para anunciar os resultados assim que possível", adiantou.

Chiwese frisou ainda que os incidentes de violência registados desde o anúncio dos resultados da primeira volta eleitoral, a 29 de Março, "têm diminuido na última semana" e que "a polícia já se encontra destacada em todas as assembleias de voto".

Segundo a oposição, pelo menos 70 pessoas morreram mais de 400 foram detidas.

Presentes também no terreno estão, segundo Chiweshe, "observadores da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), da União Africana (UA) e Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), do Parlamento Pan-Africano e mais um ou dois grupos".

"Até segunda-feira a Comissão tinha acreditado mais de 400 observadores, 140 jornalistas locais e um bom número jornalistas estrangeiros", disse.

MV.

Lusa/Fim

Agência Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade