Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

21 de Outubro de 2008, 16:33

AR: Deputados do PS incomodados com discurso "paternalista" de Jaime Gama em jornadas parlamentares

Nesse jantar, o presidente da Assembleia da República usou o humor para advertir os deputados socialistas que, se quiserem ser reeleitos, terão de fazer o trabalho de casa com o partido e com os seus eleitores.

"Não comento esse discurso", reagiu de forma seca o porta-voz do PS, Vitalino Canas, um dos deputados presentes segunda-feira à noite no jantar da Mealhada, que teve como ementa leitão e vinho espumante.

No entanto, um membro do Secretariado Nacional do PS classificou à agência Lusa como "desconchavado e desprestigiante para os deputados" o discurso feito pelo ex-ministro dos Negócios Estrangeiros dos governos de Mário Soares e António Guterres.

De uma linha política oposta à da actual direcção, a deputada do PS Teresa Portugal também criticou o teor do discurso de Jaime Gama, sobretudo no que toca ao alerta de que os deputados têm de ter atenção se quiserem continuar na Assembleia da República na próxima legislatura.

"Esse discurso, infelizmente, correspondeu ao ambiente que já se começa a sentir no Grupo Parlamentar do PS. Estão todos a pensar com o seu próprio futuro como deputados", disse.

Teresa Portugal classificou ainda o discurso de Jaime Gama como "enigmático" e, como tal, susceptível de interpretações distintas, mas também "paternalista".

Já o vice-presidente da bancada socialista Ricardo Rodrigues disse que o presidente da Assembleia da República "usou humor britânico".

"Seguramente que o dr. Jaime Gama não ignora que, se quiser ser reeleito presidente da Assembleia da República na próxima legislatura, tem como primeira condição ser eleito deputado", comentou.

Ou seja, segundo Ricardo Rodrigues, as palavras que Gama dirigiu aos deputados "também se aplicam a ele, porque ele também é deputado".

Já o deputado socialista Pita Ameixa, eleito pelo círculo de Beja, que o discurso de Jaime Gama se inseriu mais "na linha do gato fedorento do que numa reunião do Grupo Parlamentar do PS".

"Foi uma coisa de brincadeira", considerou.

PMF.

Lusa/fim

Agência Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade