Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

06 de Agosto de 2008, 08:02

Guiné-Bissau: Carlos Correia - Perfil

Bissau, 06 Ago (Lusa) - Engenheiro agrónomo formado na extinta RDA, o novo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Carlos Correia, é tido como um homem "sério e rigoroso", tendo em duas ocasiões, precisamente as que chefiou o executivo, merecido o aplauso das organizações financeiras internacionais.

Natural de Bissau, onde nasceu a 06 de Novembro de 1933 (74 anos), Carlos Correia é um dos "históricos" da luta de libertação dos povos da antiga província portuguesa da Guiné, cujo país acedeu unilateralmente à independência de Portugal a 24 de Setembro de 1973.

Actualmente, é apenas militante do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), uma vez que não se apresentou a qualquer cargo ou função nos três últimos congressos partidários, tendo-se afastado da vida política activa no início desta década.

Primeiro titular das Finanças do recém-criado Estado da Guiné-Bissau - o título exacto era Comissário de Estado (o então equivalente a ministro) - Carlos Correia era um antigo funcionário da Casa Gouveia (antiga CUF).

No entanto, desde o início da década de 50 do século XX que já lidava directamente com alguns dos que, em 1956, acabariam por fundar o PAIGC.

As ligações ao partido tornaram-se definitivas quando assistiu, a 03 de Agosto de 1959 (passaram recentemente 49 anos), ao tristemente célebre Massacre de Pindjiguiti, uma revolta dos estivadores do porto de Bissau que foi violentamente reprimida pelas forças de segurança locais.

Embora não existam números oficiais, a revolta deixou mais de meia centena de mortos e uma centena de feridos, segundo o PAIGC, enquanto a administração colonial portuguesa falou de cinco vítimas mortais, tendo Carlos Correia sido uma das principais testemunhas ouvidas vezes sem conta.

Membro do Conselho de Estado (órgão extinto em 1994) e sempre ministro de Estado enquanto esteve no Governo, Carlos Correia chefiou vários ministérios, como os do Desenvolvimento Rural e Agricultura e do Comércio, precisamente antes da abertura do país ao multipartidarismo, em 1991.

Logo após a abertura ao pluralismo político, "Nino" Vieira, também presidente do PAIGC, escolheu Carlos Correia para o cargo de primeiro-ministro, função que ocupou de 21 de Dezembro de 1991 a 26 de Outubro de 1994, sendo substituído pelo então secretário nacional ("número dois") do antigo partido único, Manuel Saturnino da Costa.

A escolha de Saturnino da Costa, fruto da vitória do PAIGC nas primeiras eleições multipartidárias da História da Guiné-Bissau, em Julho de 1994, viria a tornar-se catastrófica para o país, que viu o Banco Mundial (BM) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) a criticarem duramente o rumo da economia guineense.

Acabou, assim, por ser com naturalidade que "Nino" Vieira, apesar de uma grande polémica no interior do PAIGC, exonerou Saturnino da Costa e chamou novamente Carlos Correia para a chefia do Governo, cargo que viria a desempenhar de 06 de Julho de 1997 a 03 de Dezembro de 1998.

O seu executivo, porém, acabou por cair na sequência da guerra civil que assolou o país (07 de Junho de 1998 a 07 de Maio de 1999), opondo o governo de "Nino" Vieira a uma Junta Militar liderada pelo general Ansumane Mané, ex-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA).

Em apenas um ano e apanhando uma economia desfeita, Carlos Correia, homem de poucas falas, conseguiu repôr os índices económicos nos eixos, valendo-lhe os elogios públicos do FMI e BM, mesmo durante os primeiros meses do conflito armado.

Carlos Correia, conhecido por "dominar os dossiês governamentais", tal como afirmaram os especialistas do FMI e BM, é unanimemente considerado no país como sendo um dirigente político sério, ao mesmo tempo que é considerado "homem de confiança" do Presidente guineense.

Antigo jogador de futebol, Carlos Correia jogou, e bem, dizem os especialistas, ao longo da década de 50 na também "histórica" União Desportiva Internacional de Bissau (UDIB).

JSD.

Lusa/Fim

Agência Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade