Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

31 de Março de 2008, 20:03

Loures: Câmara e Governo unem-se para combater a pobreza em Camarate

Este protocolo assinado entre Câmara Municipal de Loures, Instituto de Segurança Social e a Cooperativa Sócio Educativa para o Desenvolvimento Comunitário (CSEDC), aplica-se exclusivamente à freguesia de Camarate e insere-se naquilo que o ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva, classificou de "um combate sem tréguas contra a exclusão social e a pobreza".

"Temos de concentrar esforços em áreas localizadas e específicas, onde permanecem focos de pobreza e exclusão social", realçou o ministro.

Este contrato, segundo explicou Vieira da Silva, "dirige-se àquelas freguesias onde não existem intervenções já estruturadas, como é o caso de Camarate", e irá incidir em áreas de intervenção como o emprego, formação e qualificação, intervenção familiar e parental e informação e acessibilidade.

"Iremos intervir no seio das famílias e promover o reforço de laços entre os seus membros, contribuindo assim para a sua integração".

Aliás, como referiu à Lusa o presidente da Junta de Camarate, Arlindo Cardoso, "existem em Camarate muitas famílias desestruturadas".

Outro objectivo deste programa, e ao qual o ministro Vieira da Silva deu grande enfoque, é "a concentração dos recursos na acessibilidade dos cidadão aos seus direitos".

"Muitas vezes as pessoas não têm acesso a determinados apoios sociais porque desconhecem a sua existência", alertou, defendendo que "existe necessidade de formar e criar competências, para que as pessoas possam ser agentes activos em todo este processo de desenvolvimento".

Para o presidente da Câmara Municipal de Loures, Carlos Teixeira, "este protocolo significa mais um passo no combate à exclusão social e à pobreza que persiste no concelho de Loures".

"Há hoje em Loures uma visão diferente no que diz respeito ao combate á exclusão social", referiu o autarca, que relembrou aos presentes que "Loures ganhou um prémio (juntamente com o Seixal) por ser considerado o concelho que melhor integra as comunidades imigrantes"."Loures é uma referência e queremos continuar a ser", acrescentou.

A entidade coordenadora deste projecto será a Cooperativa Sócio Educativa para o Desenvolvimento Comunitário (CSEDC), que terá o papel de recolher toda a informação e garantir a articulação das diferentes acções presentes no plano de acção.

Carlos Teixeira diz que a escolha desta entidade se deve "ao trabalho que esta tem desenvolvido na Urbanização Terraços da Ponte (Sacavém) e o contributo que tem dado na integração da população ali residente".

Lurdes Gonçalves, presidente da CSEDC, mostrou-se "satisfeita com o desafio" e prometeu "dar o seu melhor na concretização do Programa-Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS).

Em termos globais, o ministério vai investir um total de seis milhões de euros nos próximos três anos em dez concelhos da área metropolitana de Lisboa: Lisboa, Barreiro, Seixal, Cascais, Loures, Odivelas, Oeiras, Seixal, Sintra, Setúbal e Vila Franca de Xira foram os municípios seleccionados.

O primeiro contrato foi lançado esta manhã, entre o Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva, o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa (PS), e a Fundação Aga Khan.

Os contratos de desenvolvimento social incidem sobretudo na área do emprego, formação e qualificação, nomeadamente em gabinetes de apoio na área qualificação, na frequência de centros de novas oportunidades, no recurso ao micro-crédito.

A formação parental, o planeamento familiar, a gestão doméstica, bem como as acções de animação sócio-cultural para os idosos são outros eixos prioritários destes contratos.

AZC/ACL

Agência Lusa

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade