Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

08 de Setembro de 2011, 11:14

Vila Real: Autarquias transformam escolas desativadas em habitação social ou vendem edifícios para arrecadar receitas


Em Mondim de Basto, a autarquia vai proceder, até outubro, à venda em hasta pública de sete das 26 escolas que foram desativadas nos últimos anos, esperando uma receita de cerca de 500 mil euros.

Uma “receita extraordinária” que, segundo a câmara, será aplicada na amortização de empréstimos e no saneamento financeiro do município.

Do total de escolas primárias encerradas, oito foram cedidas a juntas de freguesias e associações culturais do concelho, e as restantes 18 deverão ser vendidos de forma faseada.

Neste concelho, apenas três primárias continuam em funcionamento por se situarem em localidades mais isoladas das freguesias de Vilarinho de Ferreiros, Bilhó e Ermelo.

A Câmara de Santa Marta de Penaguião está a aproveitar algumas escolas primárias desativadas no concelho para construir habitação social destinada às famílias mais carenciadas das aldeias.

As escolas desativadas de Paredes, Sanhoane e Veiga estão a ser transformadas em quatro moradias cada, num investimento de cerca de 180 mil euros. No Barreiro, a autarquia já entregou uma habitação. Estas habitações são dirigidas às famílias com mais dificuldades destas aldeias.

E a Câmara de Vila Pouca de Aguiar anunciou hoje que vai aproveitar o espaço de uma antiga escola de Pedras Salgadas para construir habitação social para 12 famílias.

Trata-se de um edifício escolar de duas salas que vai ser demolido para dar lugar a um bloco habitacional para, segundo o presidente da autarquia, Domingos Dias, “agregados familiares carenciados e que necessitam de condições de habitabilidade adequadas”.

A estimativa orçamental aproximada é de 700 mil euros.

Domingos Dias afirmou que “a habitação social municipal tem sido uma das formas encontradas pelo executivo para fixar população no concelho, de gente que aqui trabalha e gosta de viver, e que precisa de incentivos sociais para ter uma residência condigna”.

“Já construímos um bairro social e estamos agora a avançar para a construção de novas habitações em Vila Pouca de Aguiar e Pedras Salgadas, aproveitando áreas de localização que já cumpriram outros fins, como acontece em Pedras Salgadas”, salientou.

Este empreendimento insere-se numa candidatura mais ampla de habitação social municipal. Numa fase mais avançada estão 24 apartamentos de habitação social para agregados familiares na sede de concelho, localizados no loteamento da Bragada, cuja empreitada está em fase de adjudicação.

O investimento global dos 36 apartamentos é de cerca de 2,1 milhões de euros.

@Lusa

Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade