Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

06 de Setembro de 2011, 17:26

Porto: Banco de livros criado no Facebook permite trocar manuais escolares usados

Veja a reportagem em vídeo:

A iniciativa é simples. Consiste em trocar livros escolares do 1º ao 12º ano de forma totalmente gratuita, utilizando o Facebook como ferramenta de comunicação. Pode ser uma ajuda para as famílias mais necessitadas mas para Henrique este projeto começa por querer "despertar consciências para a reutilização do livro escolar", revela ao SAPO.

"Se educarmos na reutilização do livro, a questão dos mais desfavorecidos precisarem de livros e não terem dinheiro para os comprar não se colocaria", explica.

Desde a semana passada, em que apelou ao "passa a mensagem" na rede social, o  telemóvel de Henrique não tem parado. Pessoas que querem saber como ajudar, como ir buscar livros. Através do Facebook, é possível ver que livros estão disponíveis já que o explicador publica fotografias de todos os manuais que recebe diariamente.

"Fazer o bem, sem saber a quem"

Henrique Cunha, explicador no Porto, começou com 400 manuais escolares e hoje já tem mais de 500 disponíveis para troca, no centro de estudos onde também dá explicações, na Boavista. Os pedidos para entregar e/ou levantar os livros podem ser feitos através da página da iniciativa no Facebook, por telefone, também disponível na página na rede social, ou presencialmente. Entre muitos pedidos e ofertas, a maior lacuna está entre os manuais do 1º ao 7º ano de escolaridade.

Apesar de ser o criador do projeto, Henrique gostaria de ver a iniciativa replicada em todas as escolas do país, e segundo a sua experiência, teria tudo para dar certo: "a maioria das pessoas vem por generosidade, porque simplesmente não podem ver os livros na prateleira a ganhar pó, e sabendo que há alguém a quem podem entregar os livros", afirma ao SAPO.

Há quem, inclusivé, se tenha disponibilizado para enviar e pagar os portes de envio de livros usados pelo correio. "É a tradução de fazer o bem, sem saber a quem, e pagar por isso", conclui.

Com as aulas a começar esta pode ser uma maneira de dar uso aos livros encostados nas prateleiras lá de casa ajudando ao mesmo tempo quem mais precisa a poupar no orçamento familiar.

+ Saiba mais sobre o Banco do Livro Escolar no Facebook

@Catarina Osório

Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade