Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

03 de Julho de 2010, 01:33

No futuro o ser humano poderá viver mil anos, defende cientista britânico

O polémico cientista participou nesta sexta-feira no Simpósio anual do Programa Graduado em Áreas da Biologia Básica e Aplicada na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

Através de técnicas de “medicina regenerativa” será possível evitar a degradação das células, causadora das principais doenças que surgem com a idade avançada, por exemplo “Alzheimer, Parkinson e problemas cardiovasculares”, explicou o autor do livro “Ending Aging”.

Aubrey de Grey exemplificou: um adulto de 30 anos que seja tratado pode ganhar o dobro de vida saudável. “Os seres humanos vão ser jovens adultos por mais tempo não cronologicamente mas biologicamente”, afirmou o cientista.

Viver até aos mil anos

"O primeiro ser humano a viver mil anos pode já ter nascido"

Aubrey de Grey

Para o director da Fundação SENS, que investiga as causas do envelhecimento e a medicina regenerativa, dentro de 25 anos estes métodos vão começar a ser aplicados. Assim, existe uma probabilidade de que “o primeiro ser humano a atingir a idade de mil anos já tenha nascido”, disse Aubrey de Grey. Quanto mais jovens os pacientes começarem a receber o tratamento mais tempo poderão viver sem envelhecer.

O ponto fulcral do método desenvolvido pelo cientista britânico é o “tratamento das células”, através da substituição e regeneração das mesmas com enzimas, moléculas e também células estaminais. “É quase uma conclusão inevitável que vamos conseguir manter as pessoas saudáveis durante mais tempo”, declarou o biólogo.

Aubrey de Grey prevê que o ser humano ficará durante muito tempo com a aparência de um “jovem adulto” apesar da idade cronológica avançada. Ainda assim, o cientista não garante a vida eterna: “as pessoas vão continuar a morrer de causas não relacionadas com o envelhecimento, como acidentes ou infecções”.

A sociedade está preparada?

Na sua argumentação, o investigador lembra que o envelhecimento é uma das principais causas de morte do mundo moderno. “Ser velho hoje em dia é muito caro e os estados gastam muito dinheiro a cuidar das pessoas mais velhas”, referiu Aubrey de Grey.

Mas será que a sociedade está preparada para lidar com uma população que pode viver centenas de anos? Para o cientista, “a sociedade nunca está preparada para revoluções”. “Não estávamos preparados para a Revolução Industrial, mas depois dela ninguém quis voltar atrás”, concluiu.

@Alice Barcellos 

Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade