Isto é uma página de arquivo

Todas as notícias do dia estão agora disponíveis na página principal do portal SAPO

10 de Junho de 2012, 16:57

Jerónimo de Sousa

Ajuda à banca é o mesmo que “regar o deserto”

Jerónimo de Sousa defendeu uma “rutura” com a política em curso, para que possa haver “desenvolvimento sustentado” na Europa Jerónimo de Sousa defendeu uma “rutura” com a política em curso, para que possa haver “desenvolvimento sustentado” na Europa Imagem: Lusa/António Cotrim

“Por mais que injetem dinheiro na banca, tendo em conta as quantidades de lixo tóxico que continuam a ter, e isto é a ponta do iceberg, creio que é a mesma coisa que agarrar num jarro de água e ir regar o deserto”, afirmou Jerónimo de Sousa.

O líder comunista, que falava aos jornalistas no Crato (Portalegre) à margem da IX Assembleia da Organização Regional de Portalegre do PCP, reagia ao acordo de ajuda europeia de até 100 mil milhões de euros à banca espanhola.

“Isto revela até onde vai a crise do capitalismo e do próprio sistema em que se enredou nas suas contradições, nos seus limites, porque esta sangria desatada de dinheiro dos povos, dos países para sustentar a banca e nunca resolvendo o problema, demonstra a profundidade dessa crise”, acrescentou.

O líder comunista defendeu uma “rutura” com a política em curso, para que possa haver “desenvolvimento sustentado” na Europa.

“Não há, tanto em Espanha como em Portugal, como na Irlanda ou na Grécia, sem uma rutura com este caminho para o desastre, os povos não conseguem alcançar um processo de desenvolvimento sustentado, duradouro, de progresso e justiça social”, disse.

O presidente do Governo espanhol afirmou hoje que o trabalho do executivo nos últimos cinco meses evitou “a intervenção no reino de Espanha” tendo, em vez disso, conseguido uma linha de crédito para o sistema financeiro.

“Se não tivéssemos feito nestes cinco meses o que fizemos, o que se teria colocado ontem [sábado] era a intervenção no reino de Espanha”, disse Mariano Rajoy, referindo-se ao acordo alcançado com o Eurogrupo.

“Como levamos cinco meses a fazer os nossos deveres, o que se acordou foi uma abertura de uma linha de crédito para o nosso sistema financeiro. Uma linha de crédito europeia, para recuperar a solvência das entidades financeiras e para conseguir crédito", disse o responsável.

Mariano Rajoy falava aos jornalistas numa conferência de imprensa no Palácio da Moncloa, menos de 24 horas depois de Espanha ter feito um pedido formal de ajuda financeira externa para salvar o sistema bancário do país, num programa que pode ascender a 100 mil milhões de euros.

SAPO

Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Comentários

Critério de publicação de comentários

publicidade

publicidade

publicidade